PROJETO PEDAGÓGICO E PLANO ESCOLAR

O Projeto Pedagógico é o documento que define as intenções da escola, em realizar um trabalho de qualidade. O Plano de Escola diz respeito à execução dessas intenções.

Tanto o Projeto Pedagógico, como o Plano de Escola, dele decorrente, devem resultar de um desejo coletivo, ou seja, obra de todos os que militam nessa escola, mormente, os educadores. É algo que se vai construindo aos poucos. Para a consecução desse desejo coletivo, será preciso que a comunidade docente assuma realmente o seu papel interagindo para alcançar as metas que estabeleceu e pretende alcançar. Abandonar a perseguição das metas estabelecidas pelo coletivo, ao meio do caminho, é o primeiro passo para o malogro do Projeto. O Plano de Escola é um documento para muitos anos, que se vai remodelando após sistemáticas avaliações.

Assim, na elaboração do Projeto Pedagógico, é preciso reflexão profunda sobre o que se vai fazer e como será feito o trabalho, reflexão essa fundada no diagnóstico da escola no qual levar-se-á em consideração:

1. Que funcionou e que não funcionou no ano anterior, quanto ao planejado?

Essa questão deverá estar muito bem explicitada entre os professores, durante o planejamento, posto que se constituirá em pedra de toque para a organização do Projeto Pedagógico, origem das grandes linhas para o Plano Escolar e o verdadeiro trabalho coletivo. Faz-se necessária a realização de uma discussão franca e honesta do coletivo, sobre os acertos e as falhas, sem subterfúgios, uma vez pretenderem todos uma melhoria do trabalho em sala de aula.

- Perguntas pertinentes:

a) Com que clientela a escola trabalha?

De acordo com os dados coletados saber-se-á a origem sócio-econômica das famílias e sua expectativa em relação à escola e às carências intelectuais entre grupos de alunos, que precisarão ser levadas em conta para recuperar, minimamente, as defasagens de aprendizado desses discentes ao se elaborar o planejamento dos conteúdos.

- Que alunos apresentam deficiências crônicas?

- Que alunos foram promovidos com profundas defasagens no ano.

- Que a escola fez, no ano, por esses alunos?

- Que fará com eles no ano seguinte?

- Conhecemos realmente o "novo" aluno da escola pública?

Nem sempre é fácil lidar com determinados discentes, todavia mesmo o aluno rebelde respeita o professor competente e afetivo.

b) Análise dos dados de aproveitamento de cada série (avaliação interna), confrontados com os resultado do SARESP (avaliações externas) e do ENEM. Essa confrontação é relevante no sentido de discutir com o corpo docente as diferenças entre essas avaliações. Refletir o coletivo sobre tão profundas diferenças de aproveitamento poderá levar a respostas, apontando pistas para mudanças qualitativas no processo pedagógico da unidade. 

Eis as primeiras questões a serem respondidas pelo coletivo ao iniciar a elaboração do Projeto Pedagógico. Fica claro que, os alunos promovidos com defasagens profundas devem ter um tratamento especial para que recuperem ainda que, minimamente, os conteúdos significativos não apreendidos. Em função dessas defasagens, não seria interessante o Projeto Pedagógico prever a recuperação paralela desses alunos desde o início do ano?

2. Construir o trabalho coletivo – meta fundamental - Conceituação do trabalho coletivo

Perguntas pertinentes:

a) O que se entende por trabalho coletivo?

b) Seria possível um trabalho otimizado sem a cooperação de todos?

O que se nota de maneira geral nas escolas é um trabalho individualizado, de tal maneira que cada professor o realiza isoladamente, não sabendo cada um o que os demais estão fazendo, mesmo os da mesma disciplina.

Trabalho coletivo significa pois a integração de todos os docentes, ajudando-se mutuamente em direção a objetivos bem definidos em busca de um trabalho de qualidade em todas as disciplinas. Efetivamente, o trabalho coletivo não é algo que se desenvolve espontaneamente. Serão necessários mecanismos de controle das ações para se chegar à qualidade de ensino estabelecida pelo grupo. Controle esse que será exercido nas HTPCs, balizando as etapas a serem vencidas.

Trabalho coletivo significa pois a integração de todos os docentes, ajudando-se mutuamente.

3. Como trabalhará o coletivo?

Buscará elevar o nível de aprendizagem de acordo com as possibilidades e ritmo de cada grupo de alunos em todas as disciplinas (meta importantíssima e inegociável).

4. Como elevar o nível de aprendizagem?

Por meio:

a) fundamentalmente, do desenvolvimento de "habilidades" entre os alunos que explicitaremos, mais detalhadamente, ao analisarmos as metas a serem alcançadas;

b) de conteúdos mínimos significativos, nos quais fiquem expressos os conceitos básicos de cada unidade de estudo das disciplinas. Esse trabalho implicará na reflexão do docente sobre o planejamento dos conteúdos com base no diagnóstico das séries. 

Perguntas pertinentes:

- O que vou desenvolver sobre esses conteúdos?

- Para quem vou desenvolver esses conteúdos?

- Por que vou desenvolver esses conteúdos?

- De que maneira vou desenvolver esses conteúdos?

- Como vou verificar a aprendizagem desses conteúdos, desconsiderando o aspecto punitivo da aprendizagem (avaliação)?;

c) da aproximação das vivências dos alunos com esses conteúdos, tanto quanto possível, aproveitando as informações, que eles absorvem dos meios de comunicação escritos e televisivos, de seu ambiente e do ambiente escolar, etc;

d) de aulas bem preparadas com começo, meio e fim (vide a matéria "A Aula"), na qual o aluno tenha claro o que vai apreender (objetivos – que não devem ser muitos) e o sentido desse conteúdo. Aulas que tenham um mínimo de motivação para não entediar os alunos. Aulas improvisadas ou não preparadas, com utilização intensiva do livro didático é o primeiro passo para o tédio do aluno e os conflitos com o professor. Uma das alternativas para levar os professores a prepararem suas aulas seria reservar um espaço nas HTPCs para fazê-los relacionar conteúdos, objetivos e estratégias, que serão utilizadas durante a semana. Seria uma forma de o corpo docente e a coordenação exercerem ações de controle sobre o que projetaram, durante o planejamento, tanto do ponto de vista do Projeto Pedagógico como do Plano Escolar;

e) do diálogo constante com os alunos, mesmo com os mais rebeldes, valorizando suas realizações mais irrelevantes no sentido de elevar-lhes a auto- estima; buscar compreender-lhes os problemas. Criar formas de valorizar o aluno rebelde é dar-lhe funções específicas durante a aula, como por exemplo secretariá-la, anotando no quadro negro algumas passagens sobre o conteúdo que o professor está expondo; fazê-los coordenar o trabalho de grupo se se tratar de atividade em equipe entre outras ações que o professor poderá criar para fazer com que esse aluno se sinta útil (Excluídas fiscalizações sobre colegas que não estão realizando tarefas, anotações sobre os mais falantes da classe etc. Ações essas altamente deseducativas, mas muito usadas por alguns professores, mormente no Ciclo 1);

f) do trabalho em equipe, no qual os grupos tenham sempre que resolver algum problema proposto pelo professor. Formar grupos para realizar trabalhos que não exijam reflexão e descoberta não tem nenhum sentido e não leva a nada;

g) de pesquisa baseada em bibliografia específica, que não seria uma simples reprodução de informações contidas em jornais, revistas, enciclopédias, dicionários e manuais . A pesquisa só tem sentido se resultar em descoberta para o aluno. Por outro lado, não tem sentido o professor determinar pesquisas, se ele próprio ignora a fundamentação delas;

h) de aulas (mormente, nas áreas de ciências humanas), nas quais se desenvolvam discussões políticas, sociais, econômicas e culturais através de simpósios, painéis de discussão, seminários (aproveitando noticiários de televisão, de jornais e de revistas) sobre temas que incutam no aluno o conceito de cidadania e valores (direitos e deveres, preservação do meio ambiente, respeito pelo patrimônio público, solidariedade, sexualidade, etc (temas transversais);

i) da integração das disciplinas pela coordenação de áreas, demonstrando as relações entre os conteúdos, ou seja, a integração das disciplinas a partir de um tema específico (interdisciplinaridade-vide matéria específica neste manual), o que seria um passo a mais para o trabalho coletivo na medida em que todos os professores estariam envolvidos; estabelecimento de mecanismos de acompanhamento dessa integração;

j) da demonstração de que o professor gosta de seus alunos, expressa pelo diálogo e pela afetividade para com eles. O bom relacionamento professor- aluno é o primeiro passo para o aprendizado. Nem sempre é fácil lidar com determinados discentes, todavia mesmo o aluno rebelde respeita o professor competente e afetivo;

k) Do entrosamento família- escola, ajudando-se mutuamente, principalmente naquilo que os pais podem fazer quanto ao estudo do aluno em casa e no cumprimento das tarefas escolares (preocupação em enviar o aluno à escola com o material necessário às aulas, estabelecimento de horas específicas de estudo em casa). Sabe-se que os alunos, costumeiramente, não trazem material para as aulas de inglês e educação artística etc. Nesse aspecto, algumas assembléias de pais, convocadas pela direção, ao longo do ano, com o comparecimento dos professores contribuiria para esse entrosamento. O aprofundamento dessas discussões no Conselho de Escola seria relevante. Dificilmente, haverá integração escola-comunidade, se o coletivo docente não se habituar a trocar idéias com os pais. A falta de entrosamento, entre pais e professores, debatendo democraticamente os fatos escolares, determina um certo receio dos docentes em comparecer a essas reuniões, quase sempre realizadas pela iniciativa de muitos diretores interessados nessa integração. É preciso acabar com essa separação pais-professores. Nenhum Projeto Pedagógico terá sucesso sem a integração escola-comunidade;

l) de atividades extra-classe : confecção do jornal da escola (elaborado nos computadores); visitas a museus; concursos literários; assistência a peças de teatro na escola ou fora dela, que poderá ensejar a criação de grupos de teatro na unidade; campeonatos inter-classes aos sábados, se os professores de educação física se dispuserem a comparecer, entre outras que poderão ser sugeridas durante o planejamento.

A freqüência irregular do professor gera problemas de toda ordem na escola.

Como se pode observar, uma série de metas estão delineadas na exposição acima. Cada escola terá suas peculiaridades e as metas a serem estabelecidas a partir do Projeto Pedagógico, deverão estar em consonância com suas características. Devem-se estabelecer metas factíveis de serem alcançadas pela escola e pelos professores, individualmente, em suas disciplinas e que não deverão ser muitas.

METAS A SEREM ALCANÇADAS

DO PONTO DE VISTA FORMATIVO

1. Introjeção dos conceitos de cidadania, solidariedade, companheirismo etc.

O conceito de cidadania a ser incorporado pelos alunos será trabalhado, inicialmente, mediante a valorização da imagem do professor- ser humano pleno de defeitos e virtudes. Mas isso não vem ao caso quando se trata de educar. O professor deve ter a imagem de educador. Evidentemente, não terá a imagem de educador aquele que:

a) não respeita seus alunos como seres em formação, sujeitos, pois, a uma série de atitudes contraditórias, quase sempre interpretadas à luz de velhos preconceitos;

b) falta, excessivamente, às aulas levando os alunos a uma falsa imagem do coletivo docente. Inassiduidade, que provoca a ociosidade dos alunos ao longo do ano letivo. A freqüência irregular do professor gera problemas de toda ordem na escola, desde a descontinuidade do processo pedagógico a distorções do conceito de cidadania, ou seja, a negação do direito de o aluno receber um ensino de qualidade. Gera o desprestígio da escola junto à comunidade e à idéia de que as aulas não têm qualquer importância. Muitos professores poderão alegar que não faltam por vontade própria, mas por motivos plenamente justificados. Nesse caso, o coletivo deverá formular propostas, que possam minimizar, ou mesmo superar, o problema da inassiduidade, de tal maneira que não haja prejuízo aos alunos (sobre esse aspecto, existe um projeto de Decreto criando a função de estagiário para o Ciclo II e Ensino Médio que, se aprovado, poderá minimizar os problemas ligados à ausência do professor às aulas);

As HTPCs deverão estar, em grande parte, voltadas para o acompanhamento daquilo que o coletivo se propôs a realizar.

c) não valoriza o trabalho do aluno, preferindo o silêncio ou a recriminação face aos tropeços deste ou daquele discente. Os alunos precisam de incentivo e estímulo. O elogio do professor gera entusiasmo e segurança entre eles. Toda e qualquer realização do aluno deve ser elogiada. A recriminação às realizações do discente deve ser banida da sala de aula, pois gera insegurança e desânimo entre os menos dotados. 

2. Respeito pelo patrimônio público.

Pichações em carteiras e paredes do estabelecimento, vandalismo em banheiros com destruição de torneiras portas e fechaduras, tão comuns nas escolas de hoje, etc, merecem o estabelecimento de metas para solucionar ou, pelo menos, minimizar o problema.

Do ponto de vista informativo:

- cada professor, em sua disciplina, estabelecerá metas a serem alcançadas com os conteúdos "significativos" que vai ministrar. Leve-se em conta que, fundamentalmente, o aluno deve ser levado a "aprender a apreender" ou seja deve ser levado a incorporar "habilidades". A meta ligada à incorporação de habilidades pelos alunos deve ser inegociável, posto que, constitui o principal fundamento da aprendizagem;

- desenvolver habilidades em Língua Portuguesa significará dotar o aluno da capacidade de se exprimir por escrito e oralmente com correção, interpretar textos, etc; o que o habilitará ao bom desempenho em outras disciplinas. Mas, para a consecução dessa meta, será necessária uma série de ações que o professor de Língua Portuguesa deverá por em prática, quais sejam: programas de leitura, redações com auto-avaliação do aluno a partir de um texto escolhido aleatoriamente entre os alunos, que o professor irá discutindo com a classe eventuais falhas apresentadas naquela redação, estímulo à escrita com sistemáticos concursos literários, a elaboração do jornal da classe ou da escola entre outras ações que o professor poderá criar para fazer com que o aluno exercite a Língua Pátria. Essas ações deverão ser avaliadas, sistematicamente, para que o professor possa perceber os progressos alcançados pelos alunos;

A meta ligada à incorporação de habilidades pelos alunos deve ser inegociável.

- desenvolver habilidades em geografia e história significará dotar o aluno do espírito crítico e compreensão da realidade que o cerca e isso se conseguirá a partir de debates de temas sociais, econômicos políticos e culturais vinculados aos conteúdos, extrapolando-os para os grandes problemas nacionais e internacionais do momento dos quais o discente tem algum conhecimento pelas informações obtidas nos meios de comunicação;

- desenvolver habilidades em educação artística significará levar o aluno a compreender e sensibilizar-se com manifestações vinculadas à música (popular e erudita) e que será incutida por constantes audições, apreciação das artes plásticas (pintura, escultura e arquitetura) nas quais o professor seja capaz de revelar ao aluno as características dessas obras (nesse aspecto, a TV Cultura oferece vídeos sobre História da Arte, a preços módicos, que podem ser adquiridos com verbas da APM e do Estado. São programas bastante acessíveis aos alunos do Ciclo II e Ensino Médio).

O mesmo procedimento será levado a efeito, em nível de habilidades, nas demais disciplinas.

Dentre as metas essenciais a serem estabelecidas pelo coletivo, será relevante a que se refere à aula com começo, meio e fim, para se obter uma aprendizagem concreta dos conceitos básicos dos conteúdos, por meio de estratégias motivadoras, que levem o aluno a se interessar pelo que está sendo ministrado. Explicar ao aluno o sentido e a importância desses conteúdos (inserido tanto quanto possível na realidade e vivências do discente), será fundamental. A não-interiorização dos conceitos básicos, por todos os alunos, implicará na recuperação contínua envolvendo o reforço na própria aula, o que garantirá a aprendizagem e a eliminação de lacunas, assim como a recuperação paralela, realizada em período diverso das aulas.

A AVALIAÇÃO DO PROJETO

O Projeto Pedagógico deve ser avaliado permanentemente e, dentro da realidade de nossas escolas, esses momentos deverão se concretizar nas HTPCs. Assim as HTPCs deverão estar, em grande parte, voltadas para o acompanhamento daquilo que o coletivo se propôs a realizar, acompanhamento esse, que suscitará, em muitos momentos, a necessidade de capacitação, à medida em que determinados docentes apresentem dificuldades em realizar as ações que planejaram, até mesmo, por não dominarem com segurança determinados conteúdos, metodologias motivadoras, formas de relacionamento adequadas às classes. Nesses momentos é que se colocará à prova o trabalho coletivo consubstanciado na troca de experiências, no interesse em discutir com franqueza e honestidade as dificuldades a serem superadas por este ou aquele docente com o auxílio de todos, etc. Assim, verificar, passo a passo, se os objetivos a que todos se propuseram, estão sendo alcançados, garantirá o sucesso do Projeto Pedagógico.

Projeto Pedagógico e Plano da Escola

Das linhas gerais estabelecidas pelo Projeto Pedagógico e as Metas a serem alcançadas surgirá o Plano de Escola, no qual estarão inseridos o Plano de Curso (conjunto de ações que a escola irá realizar) e o Plano de Ensino, no qual os professores das diversas áreas relacionarão os conteúdos e metas estabelecidas para cada disciplina. Tudo isso deverá ser registrado. Esse registro esclarecerá o ponto de partida e o de chegada sobre o que escola quer alcançar, em seu todo e em cada disciplina, as ações a serem desenvolvidas, a duração prevista para cada uma delas, o acompanhamento e avaliação dessas ações e seu replanejamento, se os objetivos não forem alcançados.

RESUMINDO:

O Plano da Escola deve assegurar educação de qualidade para os membros da comunidade.

1 - O Plano da Escola é:

- produto final do processo dinâmico que é o Planejamento.

- o instrumento essencial da gestão da escola cujo objetivo é melhorar a qualidade de ensino e da aprendizagem por meio do gerenciamento eficaz da inovação e mudança:

* Como está a escola no momento?

* Que mudanças precisamos fazer?

* Como devemos gerenciar essas mudanças ao longo do tempo?

2 - O Plano da Escola compreende a política nacional de educação, as diretrizes da política estadual, as aspirações da comunidade, os objetivos e valores da escola e seus resultados atuais.

3 - O Plano da Escola é elaborado a partir da definição de prioridades, que serão selecionadas e planejadas em detalhe para o período de um ou mais anos e consolidados através de planos de ação.

4 - O Plano da Escola reflete, pois uma visão do futuro da escola.

QUE É PLANO DE ESCOLA?

O Plano da Escola é um recurso para colocar em prática os objetivos da educação nacional, adequando-os às situações regionais e locais e às necessidades específicas de cada escola; um conjunto de objetivos concretos e realistas; um plano preciso de ações coerentes, articuladas entre si, definidas a partir de objetivos cujos resultados podem ser avaliados; um programa plurianual, contendo um cronograma com períodos estabelecidos para cada fase; um conjunto de atividades propostas pela comunidade escolar, com vistas a garantir maior eficiência escolar.

O Plano da Escola permite uma abordagem abrangente e integrada de todos os aspectos da atividade escolar, compreendendo currículo e avaliação, capacitação de professores, administração e organização da escola, verbas e recursos.

O Plano da Escola capta a visão da escola a longo prazo. A partir dessa visão, será possível estabelecer metas viáveis de curto prazo.

OBJETIVOS DO PLANO DE ESCOLA

O objetivo principal do Plano da Escola é explicitar os ideais de uma comunidade em relação a sua escola. O Plano delineia uma visão, isto é, pretende transformar um sonho em realidade por meio de um conjunto de ações. Essa visão deve ser definida em termos de metas. Essas metas traduzem objetivos de melhoria nos seguinte aspectos:

- processo ensino aprendizagem;

- processo de organização do atendimento escolar;

- gestão administrativa: pessoal, instalações físicas da escola; patrimônio; apoio ao aluno;

- gestão financeira.

ETAPAS DO PLANO DE GESTÃO DE ESCOLA 

- Diagnóstico.

- Definição das metas e estabelecimento de prioridades.

- Implementação de ações destinadas ao alcance das metas.

- Avaliação do Plano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário